Poema: Baixa Preta

Crianças brincando de golzinho na rua,

cachorros latindo.
Estádio Castanheirão

Ruas de cascalho,

quando chovia a lama era geral.

Mulheres descendo para a fonte,

com uma trouxa de roupa para lavar.

No domingo tem o TEC X MEC no Castanheirão.

Ao anoitecer a criançada fazia a festa,

não tinha cerca que os segurava.

Caju, manga, laranja

no quintal do vizinho é mais gostoso.

Cai no poço, quem ti tira? Meu bem...

E assim muitos deram o primeiro beijo.

Baixa preta,

 sempre esquecida pelo poder público.

Será por que?

Pela cor dos que lá moravam?

Baixa preta, ah baixa preta

Dizem que continua como antes.

Esquecida pelo poder público,

mas cheia de vida.

(Baixa Preta é um bairro da periferia de Miracema - TO, onde cresci).
*Por Pedro Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário